Foto notícia - Pedidos de indenizações de seguros no RS ultrapassam R$ 1,6 bilhão até o momento, diz CNseg
Início Blog Destaque Pedidos de indenizações de seguros no RS ultrapassam R$ 1,6 bilhão até o momento, diz CNseg

Pedidos de indenizações de seguros no RS ultrapassam R$ 1,6 bilhão até o momento, diz CNseg

Leitura 3 minutos Visitas 43 Visitantes

Catástrofe pode ter impacto financeiro maior do que a pandemia, diz confederação.

O valor de indenizações já solicitadas de seguros até o momento devido à tragédia no Rio Grande do Sul alcança R$ 1,673 bilhão, informou a Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) em coletiva. Segundo o presidente da entidade, Dyogo Oliveira, “certamente podemos considerar [a catástrofe] como o maior sinistro vindo de um único evento na história do setor no Brasil”.

O dirigente ressaltou que o número preliminar deve crescer significativamente nas próximas semanas. “Seguramente o valor final será muito maior do que esse número divulgado.” Conforme o presidente da CNseg, os números serão revisados novamente em quatro semanas.

Oliveira afirmou que as enchentes no Rio Grande do Sul podem ter impacto financeiro maior do que a pandemia de covid-19, que causou perdas seguradas de mais de R$ 7,5 bilhões para o mercado, e a seca de 2022 na região, que alcançou um valor de sinistros de R$ 8,8 bilhões.

O dirigente explicou que a maior parte dos sinistros ainda não foi avisada. Além disso, no caso de grandes riscos, os danos ainda são difíceis de avaliar por que as empresas ainda enfrentam alagamentos. Os impactos só serão conhecidos quando a água baixar.

O levantamento da CNseg mostra que, no momento atual, o segmento de automóveis concentra o maior valor de indenizações requisitadas, de R$ 557,4 milhões. Logo em seguida, aparecem os grandes riscos, com R$ 507 milhões. Os seguros residencial e habitacional somam avisos de R$ 239,2 milhões.

O seguro agro alcança um valor de R$ 47,3 milhões. Outros ramos somam R$ 332,13 milhões de avisos de sinistros.

Em termos de quantidade de avisos de sinistros, há, atualmente, 23.441 acionamentos no total. As modalidades residencial e habitacional alcançam o maior número, com 11.396 aberturas de pedidos. O ramo auto aparece em segundo, com 8.216 solicitações.

Agro e grandes riscos aparecem na sequência com 993 e 386 avisos, respectivamente. Outros ramos somam 2.450 solicitações feitas.

De acordo com Oliveira, os dados representam uma fotografia do momento, porque se baseiam apenas nos sinistros já avisados e em estimava preliminar do custo dos sinistros. “Os números vão crescer muito nas próximas semanas e vamos atualizá-los.”

O presidente da CNseg enfatizou que o setor está preparado para absorver tanto a perda atual quanto as futuras. “São valores perfeitamente provisionados pelas seguradoras, recursos que as companhias mantêm em reservas técnicas, ou seja, tem recursos suficientes para enfrentar esse problema.”

Na visão da confederação, o evento no Rio Grande do Sul é uma ocorrência “extraordinária” e “não se espera que seja repetido no futuro próximo”. Conforme Oliveira, “não imagino que vai impactar o custo do seguro e planejamento das empresas para o Estado”.

Na avaliação do dirigente, os ramos de grandes riscos e de automóveis tendem a ser os mais impactados em termos de volume de indenizações.

Fonte:

https://valor.globo.com/financas/noticia/2024/05/24/catastrofe-no-rio-grande-do-sul-pode-ter-impacto-financeiro-maior-do-que-a-pandemia-diz-cnseg.ghtml

Newsletter

Fique por dentro

Cadastre seus dados e receba gratuitamente nossas publicações e informações sobre seguro e mercado financeiro.